» Cifras.com.br » Letras de músicas » Notícias » TV Cifras » Guitar Pro » Gospel
Logo Cifras.com.br
tutoriais

Contra-baixo Elétrico

Tutoriais > Contra-baixo

enviado por Ana Karoline

O contrabaixo elétrico (ou apenas baixo elétrico) é um instrumento de cordas semelhante a uma guitarra elétrica, maior em tamanho e com um som mais grave. É também um dos instrumentos mais importantes na música moderna. Ele é muito relacionado e inspirado no Contrabaixo Clássico. É usado por diversos estilos musicais, indo do rock n’ roll ao disco, e nos ritmos brasileiros possui uma importância significativa, como no axé e no forró. Com seus sons graves, é o responsável, junto com a percursão, pelo ritmo e balanço das músicas. Um dos maiores contrabaixistas da história da música foi Jaco Pastorius.

Características e História
Como na guitarra elétrica, as vibrações nas cordas causam um sinal elétrico a ser criado nos captadores, que são amplificados e reproduzidos por meio de um amplificador. Vários componentes elétricos e configurações do amplificador podem ser usadas para alterar o timbre do instrumento.
O primeiro baixo-elétrico a ser produzido em massa foi desenvolvido pela Fender, conhecido fabricante de guitarras. A mudança do formato do instrumento, para algo parecido com uma guitarra e a utilização de trastes facilitaram seu uso. O primeiro Fender Precision Bass foi vendido em 1951. Outro modelo lendário, o Fender Jazz Bass foi lançado em 1960.
Em seguida, outras companhias como a Gibson, a Danelectro e várias outras começaram a produção de seus modelos próprios de baixos elétricos. Isso permitiu aos baixistas variar os sons e o visual para adequar às suas bandas. Este trabalho continuou, e muitas outras companhias e luthiers continuaram o trabalho da Fender.

Design
O baixista atual tem um amplo campo de escolha para seu instrumento, como por exemplo:
• Número de cordas (e afinação):
o Como o modelo original de Clarence Leo Fender, que tinha 4 cordas afinadas em GDAE (da mais aguda à mais grave), (ou algumas vezes em GDAD).
o Cinco cordas (geralmente GDAEB (também da mais aguda à mais grave), podendo em alguns casos ser CGDAE).
o Seis cordas (geralmente CGDAEB (da mais aguda à mais grave), mas EBGDAE também tem sido usado).
o Mais de 6 cordas, envolvendo cordas semelhantes as de uma guitarra.
o Baixo Tenor - CGDA.
o Baixo Piccolo - GDAE (uma oitava acima da afinação normal).
• Captadores:
o Os antigos baixos tinham apenas um captador magnético simples. Atualmente pode-se encontrar:
 Captação ativa ou passiva (circuitos ativos usam uma bateria para aumentar o sinal).
 Mais de um captador, dando uma variação de tons maior.
 Captadores em posições diferentes, como mais perto da ponte ou do braço do instrumento.
 Sistemas não magnéticos, como “piezos” ou sistemas “Lightwave”, que permitem ao baixista usar cordas não metálicas.
• Formato e cor do instrumento:
o Existem diversas opções de cor, desde a cor da própria madeira do instrumento a efeitos visuais muito interessantes.
o Diferentes formatos de corpo (que afetam a maneira de tocar).
o Com ou sem mão (nos modelos sem mão, a afinação é feita na ponte).
• Trastes:
o Com trastes (Fretted) - como a maioria das guitarras.
o Sem trastes (Fretless) - como a maioria dos contrabaixos acústicos.

Estilos
Como qualquer instrumento, o baixo elétrico pode ser tocado em diversos números de estilos. Baixistas como Paul McCartney têm um estilo mais melódico, enquanto Les Claypool da Primus e Flea do Red Hot Chili Peppers têm um estilo mais “funk”, usando muito da técnica do slap and pop, que é dar um “tapinha” na corda com o polegar e dar um estalo ao soltar outra corda. Alguns artistas, como Pino Palladino, usam um baixo fretless (sem trastes) para um som mais “abafado”. Jaco Pastorius foi o responsável pela popularização do fretless, nos anos 70.
Larry Graham introduziu o método do “thumb and pop” ou “slap” nos anos 60. Seu som ficou conhecido principalmente em 1970, com a música “Thank You (Falettinme Be Mice Elf Agin)”. Nos anos 70, Stanley Clarke desenvolveu a técnica de Graham, deixando o método mais parecido ao que é feito atualmente. Hoje em dia Marcus Miller e Victor Wooten são dois dos principais baixistas que usam esse estilo de tocar. No Brasil Celso Pixinga e Roger Solari são excelentes referências do estilo.
A maioria dos baixistas tocam suas notas com os dedos, mas alguns preferem o uso de palhetas. Isto varia entre os gêneros musicais. Muito poucos adeptos do estilo “funk” usam palhetas.

Técnicas

Slap
A técnica surgiu por volta de 1961, quando Larry Graham estava em uma sessão de gravação em estúdio e, momentaneamente, ficou sem baterista. Ele então começou a bater e puxar as cordas, na tentativa de imitar o som do bumbo e da caixa...
Consiste em percutir e puxar as cordas usando o polegar e os outros quatro dedos da mão direita (ou esquerda, para canhotos).

Pizzicato
O pizzicato é uma técnica muito usada, mais parecida com a usada em contra-baixos clássicos em shows de jazz. Certo dia, em 1911, Bill Johnson, que tocava contrabaixo (com arco) na Original Creole Jazz Band, teve o arco quebrado. Não tendo outro à mão, Bill tratou de tocar dedilhando as cordas com os dedos da mão direita. O resultado agradou tanto que desde então (quase) nunca mais se usou o arco para tocar esse instrumento. Usa-se (normalmente) os dedos indicador e médio para atacar as cordas, podendo-se utilizar também o anelar (muito usado em músicas rápidas, como o heavy metal) e o dedo mínimo, alguns poucos contrabaixistas usam o polegar para cima e para baixo, como uma palheta, porém é uma técnica usada por poucos. Um dos grandes mestres desta técnica é o baixista Francis “Rocco” Prestia, membro da banda Tower of Power que possui uma técnica peculiar neste estilo. Usando muitas “ghost notes” (notas - fantasma) e stacatos faz com que o instrumento pulse incansavelmente no groove da banda.

Fretless
A técnica para fretless é bem diferente do contra-baixo acústico e muito semelhante ao baixo-guitarra, tocando-se com dois, três ou quatro dedos da mão direita. Seu som produz um sustain longo e pronunciado e tem um timbre parecido com o do acústico. Para estilos musicais mais vintage, folk, recomenda-se cordas flatwound e para funk e ritmos mais modernos a partir dos anos 80, cordas roundwound, onde pode se aplicar também o slap em lugar do pizzicatto.
Por se tratar de um instrumento não temperado (Não tem trastes para definir a altura das notas na escala), a técnica consiste em treinar o ouvido pra que as notas saiam afinadas, e aumentar a precisão dos dedos da mão esquerda para que o som saia mais limpo. Se não houver marcação na régua, basta soar a corda “E” e a “A” e glissar até que soem iguais. A partir daí se tira as terças as quartas as quintas e as outras notas da escala.

anakarolinevillela@hotmail.com

Top cifras » Top artistas »
Anuncie no Cifras Termos de Uso Política de Privacidade Material de DivulgaçãoFale Conosco
Petaxxon Comunicação Online
Cifras.com.br - Melhor e mais completo site de cifras e tablaturas do Brasil
Mais de 1 milhão de cifras cadastradas desde 2003
As informações contidas no Cifras.com.br são colaborações de seus usuários e podem conter erros, sendo assim, não se responsabiliza sobre nenhuma destas.
R7 Música