» Cifras.com.br » Letras de músicas » Notícias » Vídeos » Guitar Pro » Gospel » Login » Cadastre-se
tutoriais

Ritmos em Partituras

Tutoriais > Teoria Musical

enviado por Helkiro

Ritmos em partitura

 

Talvez uma das maiores dificuldades para se tocar uma música é saber seu ritmo, mas alguns padrões rítmicos podem ajudar a amenizar essa dificuldade.

Obs: Esse tutorial estará sendo atualizado sempre que possível com novos padrões ou variações para facilitar ainda mais essa tarefa de acompanhar uma musica com ritmo bem definido. Se quiser colaborar envie um e-mail para junior_osnildo@yahoo.com.br com assunto Ritmos mostrando o ritmo ou variação da forma que desejar e especificando ao menos uma música que pode ser tocada com ele.

Os ritmos serão apresentados em partituras e talvez sejam de mais fácil execução no teclado ou piano. Os acordes usados são somente demonstrativos.

1.      Canção

Um ritmo extremamente versátil devido a seu compasso de 2/4 que acaba por aceitar 2/4, 4/4 e múltiplos.

O padrão pode ser usado para acompanhar várias músicas como: Frejat – Segredos, Paralamas – Meu Erro (acelerado), Guns n Roses – Knocking on heavens door, Caetano Veloso – Sozinho, etc.

O Contratempo é usado em apenas poucas partes de algumas músicas que se acompanha por este ritmo, como na introdução de Eric Clapton – Tears in Heaven.

O modo arpejado simplesmente substitui o padrão em algumas músicas e pode ser usado para variar um pouco no meio delas, mas também existem músicas que pedem este estilo, como a Fly Away From Here – Aerosmith.

Vale lembrar que improvisos e variações são sempre de grande utilidade para se tocar uma música e que este esquema de padrão é somente para auxilio. No inicio pode-se tocar somente em cima do padrão, mas depois se deve incrementar a música com variações.

2.      Reggae

Ritmo simples e de grande uso, o reggae é um ritmo em 2/4 que também aceita 4/4 e outros.

Ritmo obviamente usado em reggae como: Gilberto Gil – Vamos Fugir, Akundum – Emaconhada (Acelerado), Bob Marley – No Womam No Cry, Paralamas – Uma Brasileira, Skank – Te Ver, etc.

O compasso duplo é só uma idéia para quando se tem um acorde que se prolonga por dois compassos ou mais, daí se faz o baixo mais constante e alternado entre notas do acorde, serve somente como um complemento ao ritmo padrão.

3.      Balada 6/8

Ritmo usado em música normalmente mais lentas, feito em 6/8 é um ritmo de uso um pouco restrito.

Apesar de todas as notas serem tocadas em intervalos de colcheias os baixos devem ser mantidos enquanto se toca a parte aguda do ritmo.

Esse ritmo pode ter diversas variações desde que mantenha o 1, 2, 3, 4, 5, 6 ritmado em colcheias e sempre segurando os graves para dar maior “força” ao ritmo.

Praticamente qualquer música que seja em 6/8 é, ou pode ser, tocada nesse ritmo, porém conheço poucas músicas que são assim, um exemplo é Los Hermanos – Primavera.

4.      Guarânia

Ritmo um pouco diferenciado em 3/4.

Usa-se ou o padrão 1, ou o 2 em uma música. Alternar entre os dois é um pouco difícil, mas pode ser feito em momentos apropriados.

No padrão 2, existe o tempo arpejado, deve-se tocar uma nota de cada vez em uma seqüência rápida soltando as três juntas ao acabar o tempo. Corretamente, o acorde circulado seria anotado assim:

 

Não conheço muitas músicas desse ritmo, mas uma popular bem conhecida é Geraldo Vandré – Pra não dizer que não falei das flores (Caminhando e Cantando).

5.      Bossa Nova

Um ritmo da mpb em 2/4.

Bossa Nova é um ritmo que possui um contratempo muito bom para se estudar em seu padrão. Esse contratempo feito pela seqüência dos tempos de semi-colcheia, colcheia e semi-colcheia é usado com freqüência em músicas da mpb, até mesmo na melodia.

O Arpejo é só uma idéia de subida que fica interessante nesse ritmo e também em alguns outros.

Um exemplo conhecido de bossa nova é a consagrada Vinicius de Moraes – Eu sei que vou te amar.



Cifras
Buscar
Twitter do Cifras RSS