Leonel Azevedo
Leonel Azevedo
Apanhei um resfria…
-
Pelo costume de beber gelado apanhei um resfriado que foi um horror
Porém com medo de fazer despesa, isto é franqueza, não fui ao doutor
Pra me curar
E tudo quanto foram me ensinando, eu fui tomando e cada vez pior
E quem quiser que siga o tratamento pois se não morrer da cura ficará melhor

Tomei de tudo, escalda-pé, chá de limão, até xarope de alcatrão
E nada me faltou
Tive dieta só de caldo de galinha, e o galinheiro da vizinha se evaporou
E tive febre, tive tosse, dor no peito, até fiquei daquele jeito
Sem poder falar
Mandei chamar, então, um especialista, que pediu dinheiro à vista
Pra poder me visitar

No bangalô, porém, choveu a noite inteira, e eu debaixo da goteira
Sem ninguém saber
A ventania arrancou zinco do telhado, e me deixou todo molhado, quase pra morrer
Sá Guilhermina quis me dar um lenitivo, e então me fez um curativo
E eu fiquei jururu
E foi chamado, finalmente, um sacerdote, pra me encomendar um lote
De dez palmos no Caju