Gaúchas
Lisandro Amaral
Na Estancia do Sos…
-
Diz o Lalinho pro Olavo na cozinha:
- toca a tropilha do potreiro do açude
E grita o Lúcio pro Beto lá na mangueira:
Levando os poncho, facilita o tempo mude

Um galo corta o silêncio da madrugada,
A lua nova vem mangueando a escuridão,
A cavalhada chega quieta e na mangueira
Vapor de lombo se mistura a serração

Levo a cabresto este meu baio cabos negro,
Um companheiro de trabalho e de anarquia,
Groseio os cascos amolecidos de sereno
Enquanto a dava reponta a barras do dia

O “nego” Olavo sai falando nas mimosa,
Tapeando a cara de um mouro bruto de freio
E grita o Beto pra baia marca virada
Afrouxa o lombo que o mango te parte ao meio

È no rodeio do sinuelo que eu sou gente,
Abro meu baio pro lado oposto da trança
Um touro berra laçado na meia cara
Garreia o bruto tio Lalo que ele se amansa


No fim do dia de volta a hora do mate
De causo e risos que um campeiro não se entrega
Sem nos dar conta resgatamos nossa essência
Enquanto a lua vai nascendo atrás das pedras

Estância velha, sossego, rincão das Palmas
És rumo e norte aonde encontro guarita
Herança bruta timbrada a casco de potro,
Lida gaúcha que da força as nossas vidas.